quinta-feira, 19 de novembro de 2009

.
.
.
.

.
.
.
.

2 comentários:

Lizzie disse...

É engraçado que, um dia, quando atravessávamos o deserto do Novo México, que é paisagem vazia só cheia de ocres como uma lua maquilhada, deparámos com uma árvore metida numa espécie de altar de rocha.
Naquele sítio era tão inesperada a pedra como qualquer fonte de vida.
Soubemos por isso o que era sentir, em plenitude, o espanto.

Mais tarde disséram-nos que não era uma árvore mas sim um espírito afecto a um anterior corpo que ali, heróica e dignamente, tinha morrido e que a terra tinha feito crescer uma rocha para proteger a árvore dos rigores vingativos do sol.

E com voz lenta, nos disseram, também, que todos os bons espíritos devem ter uma rocha a protegê-los. Não me lembro como se chama aquele deus deles.

E foi uma das árvores que guardei.

heretico disse...

a árvore da Vida?

beijo